Dia-do-café-expresso_blog

Dia do Café Expresso

Sabia que…. a 23 de novembro se celebra o Dia do Café Expresso?

Mais do que um alimento, o café é, para uns, uma forma agradável de começar o dia e de terminar as refeições. Para outros, pode até ser um vício incontornável. Para todos, a presença do café é um fator positivo que acrescenta intensidade à vida e prazer ao quotidiano.

Rico e poderoso, o café expresso é para muitos, um impulso nitro para o seu dia e para muitos outros uma maneira de passar por aqueles longos dias duros (e noites). O expresso é um refinamento do café, destilado até seus elementos mais potentes.

O Dia do Café Expresso celebra a história desta solução deliciosa e poderosa para cada dia

Em Turim, em 1884, foi desenvolvida uma inovação incrível que mudaria a forma como o café seria apreciada para toda a história. Graças aos aos métodos inovadores de Angelo Moriondo, o café conhecera uma nova era, pois, sua nova máquina encontrou uma maneira de controlar separadamente a passagem de vapor e água pelo café. Esta inovação permitiu extrair todo o potencial do humilde grão de café.

O dia do Café Expresso foi criado para homenagear esta invenção e o homem maravilhoso que tornou tudo possível. De Turim, na Itália, esta bebida espalhou-se pelo mundo, ganhando um lugar de destaque na Europa e nos EUA.

 

Vantagens de tomar café diariamente

E primeiro lugar, o café é uma das bebidas mais ambivalentes que existem; ou seja, possui características que o tornam fascinante, mas também acarreta consigo alguns fatores que o podem transformar num verdadeiro vício.

 

  • O café é um verdadeiro antidepressivo natural. Principalmente nos idosos, o café é um poderoso auxiliar na conservação da memória e proporciona sensações de entusiasmo, de um certo bem-estar ativo que potencia uma forma positiva de encarar a vida. Pode dizer-se que o café acrescenta atividade e prazer de viver.

Como estimulante, o café acelera o rendimento cerebral, em quantidades moderadas. Ao combater o sono, acaba por trazer benefícios, por exemplo no estudo e no trabalho intelectual, uma vez que mantém a mente ativa e alerta. Desta forma, pode também auxiliar no combate à doença de Alzheimer.

  • O café possui antioxidantes que podem ser úteis no combate ao diabetes de tipo 2, uma vez que ajudam a controlar as células responsáveis por aquela doença.
  • O café é um poderoso auxiliar do exercício físico, tendo em conta que acelera o metabolismo, aumentando assim a velocidade com que se queimam as calorias. Ao estimular o sistema nervoso, ele propicia também um maior rendimento do esforço físico e pode assim ser útil ao rendimento dos atletas, incrementando a tensão muscular.
  • Ajuda no combate ao colesterol, contribuindo para o aumento dos níveis de HDL (colesterol bom) e reduzindo o colesterol nefasto.
  • O café traz benefícios consideráveis na digestão difícil, uma vez que aumenta a acidez presente no estômago. A digestão faz-se mais rapidamente devido ao aumento da secreção e ácidos. Pela mesma razão, o café funciona também como um eficaz laxante natural, combatendo a obstipação.
  • Atua no combate ao cancro, contribuindo para a prevenção de vários tipos dessa patologia, principalmente do cólon, do útero ou da mama, uma vez mais devido à sua ação antioxidante.

 

Quantidade

Há quem beba um e diga que chega, há quem precise de dois ou três e há ainda quem goste de chegar aos cinco.

Mas, quantos cafés por dia são realmente a cafés a mais? A resposta depende. Se falarmos no risco de morte, seria necessário consumir algo como cinco mil miligramas de cafeína, um número muito difícil de obter tendo em conta que cada café tem, em média, entre 40 a 200 miligramas de cafeína, quantidade que depende, claro, do tipo de grão usado e do tamanho da chávena. Uma simples bica pode ter entre 80 a 100 miligramas de cafeína.

Mas, se falarmos do risco para a saúde e para o bem-estar, a resposta é outra. Diz o site Authority Nutrition que até 400 miligramas por dia é seguro para os adultos, contudo, há que ter sempre em conta outros fatores que possam interferir com o efeito da cafeína ou que possam ser afetados pela ingestão da mesma, como a pressão arterial, a diabetes, a obesidade, etc. Além disso, existem outros alimentos que contêm cafeína e que devem entrar nesta equação, como o chocolate e as bebidas energéticas, por exemplo.

Como é lógico, a quantidade máxima de cafeína depende de pessoa para pessoa, da idade e do estilo de vida, porém, a ciência é bastante clara: até cinco cafés, é seguro. Mais do que 400 miligramas pode ser demais e pode mesmo indicar dependência.

E como é que se deteta uma dependência de cafeína? Dando ouvidos ao corpo, em especial às dores de cabeça, à incapacidade em descansar, à ansiedade, à tontura, à insónia, aos tremores e aos batimentos cardíacos irregulares e acelerados.

 

E com toda esta informação. Vai um café?

expresso

#multidados #research #since98 #sabiaque #diamundial #cafe #expresso

 

VOLTAR AO BLOG